Quem são os “bons da boca”?

Por mais que eu tente me esforçar, penso que seja impossível querer saber como você chegou até aqui, ou mesmo, como está sua vida agora, enquanto lê mais este artigo do Viver e Pensar.

Neste dia, gostaria de levar você a refletir em “como anda a sua vida”, ou melhor, “o que você tem feito da sua vida”.

Para levar você a refletir, gostaria de falar um pouco sobre mim. Muitas vezes, acho propenso podermos falar das nossas dores passadas para que possamos comparar com o nosso presente, e assim verificarmos o quanto podemos aprender em meio ao caos, aos problemas e as dificuldades.

Passei a minha vida toda sendo muito amado por todos que me rodeavam, – minha família, amigos, etc…

No entanto, quando cheguei à fase da pós-adolescência, – entrando na juventude, quis ser dono do meu próprio nariz, – não que eu tenha me tornado alguém mau, mas já não dava tanto atenção para as coisas simples da vida. Andava meio “avoado” por aí, cheio de dúvidas.

Vejo que isto acontece com todo mundo, mas, ainda assim, mesmo sendo uma fase, ela requer escolhas.

No meu caso, escolhi andar com os amigos que “mandavam na escola”, que eram os “bons da boca”, que “ninguém podia”, que “fumavam” (ou tentavam fumar) cigarros escondidos, que contavam as melhores piadas, que sentavam atrás da sala e “zombavam” dos professores e dos alunos mais “cdf’s”… E por algum tempo, isto não foi nada mal, pois, me permitia andar com o queixo para cima e saber que ninguém poderia mexer comigo.

Entretanto, quando chegava o final do ano, lá estava a “turminha” toda de recuperação, ou já reprovada (o que aconteceu comigo na quinta série). Aí, eu me perguntava: Valeu a pena? Valeu a pena brincar tanto? Valeu a pena tirar tanto sarro das pessoas? – Agora estou aqui tendo que estudar até “Janeiro”, enquanto os outros já estão de férias.

Cabisbaixo, entendia que quem eram os “bons da boca”, na verdade, eram aqueles que haviam se dedicado o ano inteiro, e mais, eu observava estas pessoas se divertindo no intervalo, correndo na educação física, mas ao chegar na sala de aula, prestavam atenção, sentavam na frente, anotavam tudo e, por resultado, obtinham sempre as melhores notas.

Explorei este exemplo simples da minha vida para fazer você pensar em como você tem andado, e mais, com quem tem andado. Suas companhias têm edificado sua vida? Suas companhias têm feito você ser alguém melhor? Você tem vivido em favor do que os outros pensam de você? Você se veste para chamar atenção das pessoas que estão a sua volta? Quem realmente é você? Qual o resultado que sua vida tem dado?

Uma frase que escutei e me marcou é: você pode ser alegre e feliz, sem ser “bobo”.

Talvez até hoje você tenha sido “bobo”, ou “boba”, mas saiba, nunca é tarde para recomeçar. Você tem a chance de mudar, hoje. Você tem a chance de ser alguém melhor. Tem a chance de não carregar fardos, mas saber, que você aproveitou sua juventude da melhor forma possível.

A hora é agora!!! Basta ter atitude de recomeçar!

Caso você encontre dificuldades, peça ajuda a Jesus. Ele é um cavalheiro que estará direcionando sua vida. Peça para Ele preencher todo vazio que existe no seu coração. Peça para Ele perdão pelas suas falhas e com certeza, você viverá mais e melhor.

Viva e Pense nisso!

Junior Della Mea
juniordm@gmail.com

Há constrovérsias

Gostamos de afirmações categóricas, declarações definitivas e certezas. Não gostamos de perguntas, considerações provisórias, dúvidas, debates e discussões. Gostamos de respostas prontas e critérios claramente definidos. Não gostamos de probabilidades, possibilidades e indicadores relativos. Gostamos de “isso ou aquilo”. Não gostamos de “isso e aquilo”. Gostamos de “certo e errado”. Não gostamos de “nem certo, nem errado”, apenas diferente.

Deus é amor. Deus é justiça. Quando, então, devemos agir com amor, e quando devemos optar pela justiça? Exigimos: uma coisa ou outra, categoricamente, sem necessidade de interpretações. Dizer que somente a ação amorosa é justa e somente a ação justa é amorosa deixa margens para mal entendidos e, consequentemente, confusão. Melhor é escolher entre uma coisa e outra; as duas, não dá. Ou amor. Ou justiça.

Talvez por isso sejam poucos os que se aventuram pelas trilhas do discipulado de Jesus. Seguir a Jesus implica abandonar o jugo da lei para buscar a justiça do reino de Deus. A justiça sempre extrapola a lei. O ser humano é complexo demais para que suas ações sejam resumidas a um conjunto de “isso pode e isso não pode”. A vida é complexa demais para que tenha suas circunstâncias definidas em termos absolutos por mandamentos, regras e normas de procedimento. A vida não cabe num manual.

Responda rápido: meu filho adolescente não está bem na escola. Devo ser duro na disciplina ou compreensivo nesta fase de conflitos e mudanças? Estou absolutamente convencido de algo, mas minha esposa não quer assumir riscos. Devo seguir em frente e fazer a coisa sozinho ou devo esperar um pouco mais para tentar chegar a um consenso? Meu marido não agüenta mais a pressão no trabalho. Devo encorajar que ele peça demissão e cuide de sua saúde psíquica e emocional ou devo ajudá-lo a superar essa fase difícil, lembrando a dificuldade que é arrumar um outro emprego? Meus pais se intrometem demais na educação que dou aos meus filhos. Devo ter uma conversa franca com a mamãe e arrumar uma tremenda confusão ou devo continuar pedindo ao meu marido que compreenda minha situação e administrar nosso conflito conjugal? Meu amigo me confessou um pecado. Devo contar a quem de direito e forçar a solução da situação ou devo dar a ele o tempo de que precisa para tomar providências – quanto tempo devo dar a ele? Descobri uma falcatrua na empresa. Devo colocar a boca no mundo e denunciar os colegas ou devo ficar quieto, deixando que os responsáveis cuidem do problema? Tenho um ótimo funcionário que compromete o ambiente da equipe. Devo manter o funcionário e sacrificar a equipe ou preservar a equipe e sacrificar o funcionário? Meu pai está em tratamento médico. Devo vigiar rigorosamente seus hábitos alimentares ou devo deixar que ele faça uma extravagância de vez em quando?

Pois é, a vida é assim. As coisas que realmente importam não têm respostas fáceis, nem exatas, nem podem ser padronizadas em conselhos do tipo “faça sempre assim” ou “nunca faça isso”. Tomar decisões é uma arte que carece de boa consciência. E a boa consciência não é aquela que sabe, é aquela que ama. Como bem disse Santo Agostinho, “ama, e faze o que quiseres”, o que significa que quando a gente ama não existe certo e errado, certo? Há controvérsias.

Ed René Kivitz
Extraído de: http://www.galilea.com.br/blog.asp

Meus medos

Tenho medo
Da palavra não dita,
Do evangelho mal pregado,
Da desilusão da vida que se perdeu.

Tenho medo
De não falar do amor que
Transformou minha vida e
De ter motivações erradas.

Tenho medo
De não amar da forma que queria,
De não abraçar com o amor que sentia,
De não chorar o quanto podia.

Tenho medo
Do julgamento errado,
Da angústia ressentida,
Da falta de perdão .

Tenho medo
De ser pedra de tropeço
Para outras vidas e
De viver para satisfazer o meu ego.

Tenho medo
Das medalhas que o
Dinheiro compra e
Das honras ofertadas a deuses de pau e pedra.

Tenho medo
De perder o foco,
De errar o rumo,
De andar sem destino.

Tenho medo
De não demonstrar-me tão fraco,
Como deveria ser.
De não estar presente, mesmo estando ali.

Tenho medo
De escutar e
Não ouvir,
De olhar e não ver.

Tenho medo
De olhar para trás e
Não ter visto a
Vida passar.

Tenho medo
De temer, sem amar.
De amar sem me doar,
De me doar querendo trocar.

Junior Della Mea
juniordm@gmail.com

Proposta

Eu te proponho te dar minha paz e o meu perdão
Eu te proponho todo amor e salvação
Todo romance eu te proponho nessa canção
Todo cuidado do meu abraço e atenção

E não há nada que eu ame mais que o teu sorriso
Pois para mim nada é mais doce que isso

Eu te proponho estar contigo onde estiver
Ser teu alento o teu sustento se você quer
Hoje eu proponho a alegria sem fim
Pois só é possível viver contente em mim

E não há nada que eu ame mais que estar contigo
Pois o que eu quero é ter voce como amigo

A poesia palavras belas te darei
E no calor do por-do-sol revelarei
Dia apos dia fidelidade a ti
Pois se proponho eu sou fiel pra cumprir

E não há nada que eu ame mais que te olhar
Pois para mim nada eh melhor que te cuidar

Essa proposta nao custa nada basta querer
E me aceitar como Senhor do seu viver
Abra teu peito teu coracão deixe-me entrar
Estou ansioso uma nova vida te dar

E não há nada que eu ame mais do que você
Pois é você tudo o que eu quero ter!


Jacó Junior

jaco_jr@hotmail.com

Solidão: Oportunidade de comunhão com o Pai

“Minha alma está profundamente triste!”
Um Deus declarando sua carência: “Orai comigo”.
Um Deus clamando por companhia:“Velai comigo!”.
Solidão, a mais profunda dor em um Deus que pede: “Ficai comigo!”.
Quanta fragilidade em tanta onipotência: “Nem uma hora podeis velar comigo?”
Um Deus em prantos de morte: “Pai se possível passa de mim este cálice de solidão sem que eu o beba!”
Um Deus querendo fugir?
“Mas que seja feita a tua vontade, Oh Pai, e não a minha!”.
Não, apenas um Deus tentando ensinar algo importantíssimo.
Mas os discípulos dormiam…
“Vocês não puderam vigiar comigo nem por uma hora?”
Era madrugada, a lua clareava o Getsêmani, o frio os envolviam e nenhum deles o fizeram companhia.
“Meu Pai, se possível passa de mim esse cálice…!”
Só o Pai estava disponível!
“… Contudo seja feita a tua vontade e não a minha!”
Na hora da mais densa solidão, Ele fala com o Pai. A solidão o liga ao Céu.
O Pai envia um anjo para fortalecê-lo!
Orando mais ainda, intensamente, sua angustia torna seu suor em sangue!
Num ato esperançoso, volta aos discípulos, que ainda dormem e dominados pela tristeza, se entregam ao seu medo, perdendo uma grande oportunidade!
“Basta! Chegou a hora…!”
Um outro discípulo se aproxima, o beija, dizendo: Salve Mestre!
“Amigo, o que o traz?”
É o que se ouve de Jesus, antes que os soldados o prendessem.
Traído então, chega o momento temido por todos.
Ele é negado, acoitado, rasgado, moído, arrebentado, julgado por opressores…!
Mas o silencio é o que se escuta de seus lábios!
As profecias vão se cumprindo, então todos o abandonam!
Exceto o Pai!
É condenado a morte, e morte de cruz – a morte de um amaldiçoado.
“Pai, perdoa-lhes pois não sabem o que fazem!”
Amor em vestes de perdão é o que veste os seus lábios ensangüentados.
A cena ganha um colorido diferente!
“Eu mereço estar aqui, mas não tu Senhor! Lembrai de mim quando entrares no paraíso!”
Jesus sorri! Seu coração se enche de gozo!
“Hoje mesmo estarás comigo no paraíso!”
Um momento de tremenda alegria, em meio a tanta agonia!
Sua tentativa de ensinar o que seus discípulos não haviam entendido não foi em vão.
O ladrão da cruz aprende rapidamente!
O Salvador estava ao seu lado! Ele não estava mais só!
Gritos ainda se ouviam! Zombarias e difamações!
A escuridão envolve a terra!
O quadro final se aproxima.
Num suspiro mortal, Cristo clama!!!
“Deus meu, Deus meu! Por que me abandonastes?”
A falta de companhia dos discípulos, a traição, as zombarias, acoites, chicotadas, nada foi mais intenso e dolorido do que aquele instante!
A plena solidão envolve o Deus Homem!
“Esta consumado!”
O Pai vira sua face contra o filho.
O pecado da humanidade sobre Ele, o separa agora do seu único companheiro!
SOLIDÃO ABSOLUTA!
“Pai! A ti entrego o meu Espírito!”
O pecado agora não tem mais poder, a morte é inofensiva, a solidão, dá lugar a eterna comunhão com o Pai!!!

Jacó Junior
jaco_jr@hotmail.com

Loucamente apaixonados por Deus

de joelhos 2

I Cor 1:27a Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; […]
Quando paro para pensar no Evangelho, na obra redenção através da Pessoa de Jesus, no poder de Deus e na plenitude da alegria que invade o nosso coração quando experimentamos do novo nascimento, parece-me que tudo isso é “loucura”.

É “loucura” um advogado bem sucedido, com esposa e dois filhos, abandonar sua carreira promissora e tornar-se um pregador da palavra de Deus dentro de uma favela ou bairro pobre.

É “loucura” um homem que estava perdido nas drogas e no álcool, que havia abandonado sua família, sujo e deixado de lado pela sociedade, ler um panfleto que recebeu na rua e ter sua vida transformada por completo, tornando-se um missionário no interior do nordeste brasileiro.

É “loucura” uma mãe de família depressiva, cheia de angústia e rancor, que já não ligava para os filhos e para o marido, ser modificada a tal ponto que passe a amar, que passe a ser mansa, a ter domínio próprio, a ter paz e, principalmente, a ter estampado em seu rosto marcas da alegria que paira sobre seu coração.

É “loucura” uma pessoa que não faz mal a ninguém, que dá auxílio aos mais necessitados, que pensa ser “bom”, gritar para todo mundo ouvir que necessita de perdão, que necessita ser liberto da escravidão do pecado, – é “loucura”!

É “loucura” um jovem que passa seus dias vivendo para si mesmo, que trata mal os seus pais, que gosta de uma boa “festa”, que não liga para ninguém, que faz o que dá “na cabeça”, sentir um aperto no coração de tal forma que ele venha anseie abandonar a vida que levava, para servir café e bolo, nas madrugadas, nos hospitais de sua cidade.

Entretanto, quando olhamos para a palavra do Senhor, em específico, no versículo que estamos observando (ICor 1:27a), vemos que Deus “escolhe”, isto é, separa, chama para si, as coisas “loucas” deste mundo.

Quão bom seria se todos nós fossemos estes “loucos” escolhidos por Deus. Alguns desejam não ser, outros apenas acham que são, mas outros se disponibilizam em ser; – estes disponíveis são os que Deus molda, renova e usa.

Sejamos nós os “loucos” de Deus. Mas loucos que sejam apaixonados por e para viver todos os Seus planos. “Loucos” para estarmos atentos as oportunidades que Ele tem nos concedido. “Loucos” para sermos ousados e usados pelo Senhor. “Loucos” para sermos obedientes a Ele, mesmo quando tudo não faz sentido. “Loucos” para negarmos a nós mesmos, para vivermos para o próximo e para amarmos sem limites, – seguindo assim, pela fé, Aquele que, por amor, nos resgatou das garras de satanás e nos transportou para o Reino de Deus, – Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador.

Sendo “loucos” desta forma, estaremos remando contra a maré da sociedade hedonista, egocêntrica, que vive para si mesmo. Estaremos confundindo as coisas “sábias” deste mundo. Vamos ser incomodo! Vamos ser objeto de discórdia, de chacotas e fofocas. Mas, estaremos convictos de que faremos a diferença e, sendo diferença, estaremos certos e confiantes de que estamos andando no centro da vontade de Deus.

Que possamos caminhar perseverantes no amor que nos une a uma só fé, simplesmente porque Ele nos amou primeiro.

Eu quero ser um “louco” de Deus, e você?

Junior Della Mea
juniordm@gmail.com

Sobre o Viver e Pensar

Olá visitante, seja bem-vindo ao Viver e Pensar.

Este blog nasceu no coração de jovens que anseiam viver mais e melhor. No entanto, este anseio visa glorificar e honrar o nome daquele que um dia nos resgatou das trevas, da solidão e do vazio interior do homem, – o Rei Jesus.

Temos por objetivo levar até você palavras que possam edificar a sua vida, que o inspirem a viver melhor. Palavras que possam dar ânimo, mostrar suas virtudes e o seu valor diante de Deus, o Criador.
Mais do que apenas levar as palavras até você, desejamos que você medite sobre elas, que PENSE, pois, quem pensa, sabe para onde vai e onde quer chegar.

Não, este blog não irá falar de religião, mas sim de uma Pessoa, que vive e é real. Uma pessoa que é capaz de dar vida para aquele que está morto. Que é capaz de fazer o cego enchergar, o mudo ouvir, o surdo falar e o coxo andar. – Ele é Jesus.

Venha conosco experimentar do melhor de Deus para nossas vidas.

Com Carinho,

Junior Della Mea
Viver e Pensar

Entre em contato conosco através do e-mail:

juniordm@gmail.com